Como descartar fraldas

Como descartar fraldas? Jogo no lixo comum? Ou será que podem ser recicladas para não acumular no aterro sanitário? Existe alguma opção biodegradável? A seguir trazemos algumas dicas sobre o descarte consciente de fraldas, sempre pensando na melhor maneira para não prejudicar o meio ambiente.

Dicas para descartar fraldas

As fraldas são sim prejudiciais ao meio ambiente, elas são feitas de plástico polietileno, algodão, celulose, papel e poliacrilato sintético. São produtos que levam anos e anos para se decompor no aterro sanitário, trazendo problemas para fauna e flora local. Para se ter uma idéia, um bebê consome quase 4 mil fraldas durante sua vida. Só nos Estados Unidos são vendidas 18 bilhões de fraldas descartáveis por ano!

Como explicamos acima, as fraldas são feitas de materiais recicláveis (plástico, papel etc), elas podem ser recicladas ou reaproveitadas. Mas infelizmente ainda não existe este serviço no Brasil. Ainda não existe empresa que trabalhe com o reaproveitamento de fraldas.

Como descartar fraldas
Dicas para descartar fraldas

Em 2017 a empresa Boomera fazia este tipo de reciclagem, eles esterelizavam as fraldas usadas e aproveitavam o plástico recuperado para criação de outras peças por injeção. Alguns exemplos de produtos criados, tampas de lixeiras, banquinhos, cabides e outros.

Como não temos opção de reciclagem no Brasil, o descarte deve ser realizado colocando as fraldas sujas dentro de saco plástico bem fechado. Coloque o saco junto do lixo orgânico que será levado pela coleta de lixo da sua cidade.

Uma opção de reduzir o impacto do descarte de fraldas usadas, seria as pessoas comprarem fraldas biodegradáveis. São fraldas feitas com materiais que se decompõe mais rapidamente na natureza. Mas infelizmente estes tipos de fraldas também não estão mais disponíveis no Brasil. Em 2012 eram vendidas pela marca alemâ Herbia Baby.

Portanto, enquanto não existe opção sustentável no país, as fraldas continuarão se acumulando no aterro sanitário, trazendo problemas para gerações futuras.

Deixe um Comentário